Publicado em

Requisitos técnicos para Hospedagem de Site

Requisitos técnicos

Provavelmente a maior dificuldade durante a análise das necessidades futuras de seu website é compreender como o servidor deve ser configurado para que seu website comporte-se da maneira esperada. Conhecer os requisitos técnicos de seu website é fundamental para o bom funcionamento do mesmo e para decidir quais tecnologias irá empregar na exibição do mesmo:

a. Blog: Um blog é um website formado pelo conjunto de publicações de páginas e comentários. Você pode fazer suas publicações por si próprio ou solicitar aos visitantes que publiquem ou comentem sem seu blog para incentivar as interações sociais. Uma estatística de Fevereiro de 2011 revelou que havia na Internet, naquela época, cerca de 156 milhões de blogs públicos. Existem atualmente diversos sistemas de gerenciamento de blogs, sendo que muitos deles são gratuitos. O WordPress, por exemplo, é um sistema de gerenciamento de conteúdo de código aberto, gratuito, de interface amigável e intuitiva, amplamente utilizado pela comunidade. Isto é muito útil quando você possui dúvidas na utilização ou necessita de ajuda e suporte. A maioria dos sistemas de blogs poderão ser hospedados em tanto em servidores Windows quanto em servidores Linux, desde que o servidor esteja devidamente configurado para fazer a correta interpretação de scripts em PHP. Alguns outros exemplos de sistemas de gerenciamento de blogs: LifeType, TypePad, Nucleus, e Movable Type.

b. Fórum: Um fórum na Internet é um website de discussões on-line onde as pessoas podem interagir através de um formulário para o envio de mensagens. Se o seu website oferecer produtos e/ou serviços para uma grande quantidade de usuários, seria interessante manter também um fórum para que este usuários possam inserir suas dúvidas e comentários, para que outras pessoas possam responder e compartilhar informações. Alguns exemplos de sistemas de gerenciamento de fórum são o phpBB e o phpNuke, e ambos podem ser hospedados em servidores Windows ou Linux (que possuam suporte a PHP).

c. Linguagens: A linguagem mais comum usada para o desenvolvimento de páginas na Internet é o HTML (HyperText Markup Language). Não trata-se de uma linguagem de programação, mas sim de uma linguagem de marcação que simplesmente informa a um navegador web como exibir uma página estática. Mas, para trabalhar com páginas dinâmicas será necessário fazer uso de algumas linguagens adicionais, pois serão elas as responsáveis por manipular as informações necessárias para a construção dos elementos que irão compor as páginas. Obviamente, o servidor que irá hospedar seu website precisa ser configurado com a capacidade de corretamente interpretar estas linguagens.

Alguns exemplos de linguagens de programação e utilitários para a web, são:

ASP (Active Server Pages) – Comumente utilizada em ambientes que utilizam sistemas desenvolvidos pela Microsoft, esta linguagem cria páginas dinâmicas em tempo real a partir de informações fornecidas pelos visitantes. Atualmente é conhecida como ASP .NET

ColdFusion – Uma linguagem de programação que foi originalmente desenvolvida para facilitar a conexão de uma página HTML simples a um sistema de gerenciamento de banco de dados. Atualmente esta tecnologia é de propriedade da Adobe Systems Incorporated.

Lasso – Uma linguagem de manipulação de tags utilizada para realizar, de forma segura, conexões entre servidores HTTP e de banco de dados.

PHP – Linguagem de programação que cria páginas dinâmicas em tempo real a partir de informações fornecidas pelos visitantes.

Ruby on Rails – Um framework de código aberto para o desenvolvimento de aplicações web.

SSI (Server Side Includes) – Uma linguagem de programação, simples, utilizada no servidor para, principalmente, realizar a inclusão de uma parte comum de código ao longo de um website, como por exemplo um cabeçalho, um rodapé de página, ou um menu de navegação.

Perl – Uma linguagem de programação dinâmica de alto nível, interpretada, e de uso geral.

Python – Outra linguagem de programação dinâmica de alto nível, interpretada, e de uso geral.

FrontPage (atualmente conhecido como ‘Microsoft Expression Web‘ e ‘Sharepoint designer’) Um editor de códigos HTML com suporte a interface WYSIWYG, que é também uma ferramenta para administração de websites desenvolvidos para servidores Windows.

Cron – Um agendador de tarefas para sistemas operacionais Unix-like (como Linux, por exemplo).

Fast CGI – Um protocolo para integrar programas interativos a um servidor web. Esta é uma versão mais rápida do protocolo original CGI (Common Gateway Interface).

Curl – Uma linguagem de programação orientada a objetos para aplicações web interativas, cujo objetivo é fornecer uma transição mais suave entre os processos de formatação e a programação propriamente dita. Ela permite que objetos complexos sejam embutidos em documentos simples, sem a necessidade de ficar alternando entre linguagens de programação ou plataformas de desenvolvimento.

Image Magick – Uma suíte de softwares que auxiliam na exibição, conversão, e edição de arquivos de imagens para páginas na Internet.

GD2 – Uma biblioteca de código aberto que auxilia na criação de imagens dinâmicas para páginas na Internet.

d. CMS: Um sistema de gerenciamento de conteúdo (Content Management System) é um programa de computador que possibilita a criação, edição, manutenção, e publicação de conteúdos em um website, tudo a partir de uma interface administrativa centralizada. Funcionando como um repositório central, um CMS é responsável também por atualizar as versões de suas páginas sempre que um arquivo existente é modificado. O controle de versão é uma das principais vantagens no uso de um CMS. Os CMS mais populares atualmente são: WordPress, Joomla, Drupal, e Mambo.

e. eCommerce (comércio eletrônico): Um ‘carrinho de compras’ virtual é um sistema usado em comércio eletrônico para auxiliar os visitantes em compras on-line. É uma analogia ao termo americano ‘shopping cart’. Em Inglês britânico é comumente conhecido como’shopping basket’ ou simplesmente ‘basket’.

O sistema permite que os visitantes visualizem e selecionem produtos que poderão ser adicionados a seu ‘carrinho de compras’. Geralmente para cada produto/item há uma opção metaforicamente descrita como ‘adicionar ao carrinho’. Ao final do processo, o visitante irá realizar o checkout (finalizar compra), e o sistema deverá calcular o valor total dos itens selecionados, além de acrescentar possíveis despesas extras, tais como, custos de manuseio e envio, e taxas (se aplicável).

Existem empresas que comercializam sistemas de carrinhos de compras na modalidade SaaS (Software As A Service), onde é oferecido a você a opção de usar um carrinho de compra por elas desenvolvidos. Alternativamente, você pode optar por instalar e administrar seu próprio sistema de comércio eletrônico. Alguns sistemas popularmente utilizados são: Magento, osCommerce, Zen Cart, e Agora Cart.

f. SSL: O padrão SSL e certificados de segurança fornecem segurança para seu website, pois forçam o uso de comunicação segura (criptografada) entre o visitante e o servidor onde seu website está hospedado. Para fazer uso dessa comunicação segura você deve adquirir um certificado SSL e instalá-lo em sua conta de hospedagem, diretamente em seu servidor. É necessário também que seu website esteja configurado em um endereço IP dedicado e exclusivo), e que o visitante faça uso de um navegador moderno (como as versões mais recente do Internet Explorer, Mozilla Firefox, Safari, Opera, ou Google Chrome).

Podemos citar duas importantes ocasiões onde você deverá fazer uso de um certificado SSL: a mais comum é aquela onde seu website será utilizado para aceitar pagamentos através de cartões de crédito; e outro cenário bastante comum é aquele onde há informações confidenciais sendo trafegadas por seu website. O uso de certificados SSL protegem também as suas senhas, prevenindo que elas sejam interceptadas (quando digitadas em uma página com login seguro).

Os dois tipos mais comuns de certificados SSL são os compartilhados e os privados:

a. Certificados SSL compartilhados

permitem que você usufrua dos recursos de

criptografia do padrão SSL sem a necessidade de

adquirir seu próprio certificado. O certificado

compartilhado estará disponível para todos os websites

hospedados no servidor. Entretanto, por tratar-se de um recurso compartilhado, ele não fará nenhuma referência a seu domínio, mas sim ao hostname do servidor (geralmente algo similar a https://secure100.hostgator.com.br , por exemplo). Você precisará usar este hostname em sua URL (ao invés de usar uma URL relacionada a seu domínio). Caso você tente usar uma URL associada a seu domínio para acessar um certificado que não foi emitido para ele, você receberá, de seu navegador web, alertas de segurança informando que o domínio em questão não coincide com o domínio para o qual o certificado foi emitido.

Certificados compartilhados são uma boa opção quando você desejar proteger os dados trafegados, mas sem estender seu uso ao público em geral (como por exemplo, para acessar a área administrativa de seu website, indisponível para os demais visitantes). Para situações onde o público em geral visitará uma área segura de seu website (por exemplo, compras pagas com cartões de crédito), você provavelmente preferirá fazer uso de um certificado SSL privado: ele estará associado a seu domínio, fazendo com que os visitantes identifiquem facilmente que estão fazendo uso de uma conexão segura no local desejado e, ao contrário de quando usa-se um certificado compartilhado, eles não receberão mensagens de alerta do navegador.

 

b. Certificados SSL privados são adequados para websites que oferecem opções de comércio eletrônico, e para toda e qualquer situação onde você desejar uma conexão segura e confiável entre o seu website e seu visitante, mantendo a identificação de seu domínio nas URLs de acesso. É muito importante que seus clientes (e todos os demais visitantes) tenham plena confiança no acesso a seu website, portanto, para assegurar a privacidade das informações, um certificado SSL é sempre muito importante. Certificados SSL privados podem ser emitidos para domínios simples, múltiplos domínios, ou para qualquer subdomínio em um domínio (também chamado de certificados wildcard).

g. Bancos de dados: A interatividade entre os websites e seus visitantes estão ficando cada vez maiores. Isso tem sido feito através de cadastros, buscas por produtos/informações, publicações e comentários em blogs e fóruns, etc. Estamos nos referindo a websites dinâmicos, que mantém bases de dados onde os clientes podem inserir e buscar informações de acordo com suas necessidades e/ou interesses.

Alguns clássicos exemplos de websites assim são os blogs, os websites de comércio eletrônico (como o eBay e o Mercado Livre), e qualquer outro website que permita que o visitante realize um cadastro, autentique-se e crie seu perfil. Da mesma forma, qualquer website que faça uso de um sistema de gerenciamento de conteúdo (CMS) ou de um carrinho de compras, também enquadram-se nesta categoria. Se você pretende incluir pelo menos uma dessas características em seu website, você precisará verificar se há um sistema de gerenciamento de banco de dados disponível em seu provedor.

Se houver, é bom ficar atento também aos limites de armazenamento destinados aos bancos de dados ao iniciar o planejamento da hospedagem de seu website.

h. FTP/SSH: O protocolo FTP é o que geralmente os desenvolvedores utilizam para enviar para o servidor os arquivos, páginas, imagens, e demais arquivos que compõem um website. Existem diversos programas clientes de FTP disponíveis para download (alguns gratuitos, outros comerciais, uns melhores que os outros, etc). FTP é um acrônimo para ‘File Transfer Protocol’ (protocolo para transferência de arquivos) e é um método bastante utilizado para a transferência de arquivos de seu computador pessoal para seu servidor web. Além disso uma grande variedade de outros programas utilizam o FTP para o mesmo propósito, incluindo programas de desenvolvimento de websites, editores de código HTML, etc. Alternativamente, você pode elevar o nível de segurança das atividades de transferência de arquivos de ou para seu servidor através do protocolo SSH (que realiza conexões/transferências encriptografadas).

i. Painel de controle: Quando trata-se de webhosting, um painel de controle é uma interface web fornecida por seu provedor de hospedagem para permitir que os clientes gerenciem de forma centralizada seus recursos e serviços. Os painéis de controle mais utilizados atualmente são: cPanel, DirectAdmin, Ensim, HSphere, InterWorx, Plesk, vDeck, e Webmin. Alguns dos módulos comumente disponíveis através desses painéis de controle são:

• Acesso aos logs (registros) do servidor;

• Informações detalhadas sobre o uso espaço em disco e largura de banda;

• Configurações de contas de e-mail;

• Gerenciamento de contas de FTP;

• Gerenciamento de bancos de dados;

• Softwares geradores de estatísticas de visitas;

• Gerenciadores de arquivos.

j. Estatísticas de acesso: Uma das melhores coisas que você pode fazer com relação a seu website é analisar suas estatísticas de acesso.

O produto desta análise não será apenas um relatório para medir o tráfego de dados, mas pode ser também utilizado como uma ferramenta para pesquisas comerciais e de negócio, com o intuito de avaliar e aperfeiçoar a eficácia de um website. As estatísticas de acesso podem também auxiliar as empresas a mensurar o resultado das tradicionais campanhas publicitárias: tais estatísticas ajudam a comparar os resultados (baseados na análise da alteração no volume de tráfego de um website) após o lançamento de uma nova campanha publicitária. As estatísticas fornecem informações sobre o número de visitantes que um website recebe, bem como o número de páginas visualizadas, e diversas outras informações. Elas auxiliam na aferição do tráfego e tendências de popularidade, que são úteis para pesquisas de mercado.

Existem alguns softwares embutidos nos painéis de controles modernos, que geram estes relatórios de estatísticas de acesso.

Existem também softwares de terceiros destinados a este fim, tais como:

Google Analytics, StatCounter, e Lyris.

Algumas das importantes informações obtidas através das estatísticas de acesso são:

• Número de visitas e número de visitantes únicos;

• Tempo de duração das visitas, e últimas visitas;

• Usuários autenticados (aqueles que identificaram-se em uma área segura de seu website), e últimos visitantes autenticados;

• Horários de menor e maior tráfego por período (dias, semana, mês, ano);

• País de origem e domínio dos visitantes;

• Número total de pageviews (visualizações das páginas de seu website);

• Páginas mais visitadas;

• Tipos de arquivos mais visualizados e/ou baixados;

• Sistema operacional utilizado pelos visitantes;

• Navegador web utilizado pelos visitantes;

• Visitas de robôs de motores de buscas, com data/horário;

• Página de outro website que direcionou o visitante até o seu (HTTP referrer);

• Motores de busca, expressões, e palavras-chave utilizadas para localizar seu website;

• Erros de HTTP (como páginas inexistentes, links quebrados, etc).

• Algumas das ferramentas de geração de relatórios de estatísticas de acessos informam também quem está no website, duração da visita, e páginas acessadas.

k. Streaming de áudio e vídeo: Se você planeja utilizar seu plano de hospedagem para transmitir streaming de áudio/video, será necessário certificar-se de que sua conta possui bastantes (ou até mesmo ilimitados) recursos de bandwidth (tráfego mensal). Caso contrário você poderá ser surpreendido com desagradáveis cobranças de ‘uso extra de recursos’.

l. Portal: Um portal na Internet é um website que concentra, em si próprio, informações extraídas de diversas fontes. Geralmente as fontes de onde as informações são obtidas têm uma área dedicada na página do portal para a exibição de suas informações e, muitas vezes, o visitante é capaz de configurar quais informações ele deseja que sejam exibidas.

Alguns exemplos de portais: AOL, Excite, MSN, Netvibes, e Yahoo!.

Além das tradicionais características dos sistemas de buscas, portais na Internet oferecem diversos serviços como e-mails, notícias, cotações, informações em geral, e entretenimento. Eles possibilitam que as empresas forneçam uma aparência consistente, com controle de acesso e procedimentos para múltiplas aplicações e bancos de dados, que de outra forma seriam entidades completamente distintas.

Publicado em

Propósito do site

A primeira avaliação que você deve fazer para encontrar a solução ideal para seu website é sobre a finalidade do mesmo. Pois é, parece trivial, mas MUITAS pessoas não levam em consideração esta importante análise e acabam enfrentando sérios problemas.

1. Informativo : o principal objetivo de seu website é simplesmente fornecer informações aos visitantes? Você não deseja nada além de que os visitantes acessem seu website em busca de informações, sem comprar nada ou sem fazer nenhum tipo de negócio através dele?

2. Triagem e direcionamento: o principal objetivo de seu website é impulsionar seu fluxo de vendas, fornecendo informações ou interagindo com seus visitantes para que eles estabeleçam contato por telefone/e-mail ou compareçam à sua empresa?

3. Comercio eletrônico: o principal objetivo de seu website é oferecer aos visitantes a possibilidade de compra on-line de seus produtos/serviços?

Estes são os 3 tipos mais comum de websites, e é provável que o seu enquadre-se em uma destas categorias. Independente do propósito do seu website, é extremamente importante que você saiba quais ações os visitantes poderão/deverão tomar enquanto nele navega e qual é o nível de interatividade a ser oferecida. Estes fatores também ajudarão na escolha das características do plano de hospedagem que melhor atenderá as suas expectativas.